domingo, janeiro 29, 2006

Portugal caiado!

Há 60 anos que não caía neve em Évora! Neve no Alentejo só me lembro lá por volta de 1986 em Vila Viçosa. Ainda hoje tenho fotos desse dia branco, em que a minha mãe me pôs um gorro estúpido com que toda a gente goza ao ver o album de fotografias. Enfim, a moda passa!

Mas hoje, Évora ficou pintada de branco num curto espaço de tempo. Nevou com intensidade e a cidade saiu à rua para se divirtir, afinal, sempre poupam os trocos de uma viagem à Serra Nevada ou a Andorra!

Foi um dia diferente em que quase não deu para acreditar que lá fora estava mesmo a acontecer aquilo, mas aconteceu e sentia-se até aos ossos!

quarta-feira, janeiro 25, 2006

Frase da semana - 4


"Não há alentejano que não se sinta desesperadamente golpeado pela lâmina da privação ou do afastamento do local e dos entes que lhe marcaram as primeiras sensações do seu mundo dos sentidos ou dos afectos, da sua Terra Mãe."

José Flamíno Roza

Hoje

Faz hoje dois anos que todos assistimos a um dos episódios mais tristes do futebol português.
Muito para além do futebol enquanto jogo - da tristeza das derrotas, dos remorsos de um do penalty falhado no último minuto, do frango numa final europeia – a morte trágica de Miklos Féher foi um episódio que uniu as cores e os corações que vivem a paixão do futebol.
Lembro-me de estar a ouvir o relato com auriculares nos ouvidos e de ficar de coração sobressaltado enquanto esperava ansiosamente as palavras tremidas e inseguras do comentador. Aos poucos os olhos foram humedecendo e as memórias de bons velhos tempos passados na companhia dos meus colegas de equipa vieram memória. Senti o momento como se estivesse naquele campo, no berço da nação, e fosse mais um colega de Miky e estivesse a assistir ao seu derradeiro sorriso, incapaz e impotente de segurar Miky ao mundo.
A família benfiquista ficou triste e mais unida que nunca e o futebol português compreendeu durante umas semanas que há vida para além do jogo.


Miky não te esqueceremos!


Mas quis o fado que neste mesmo dia, uma outra figura da história do futebol benfiquista e português, o rei Eusébio... ...festejasse (e espero que por muito mais tempo) o seu aniversário, por isso, muitos parabéns King!



De resto, só mesmo dizer que a CIA, através do seu laboratório secreto, escondido algures nas minas de Aljustrel, fez um estudo na segunda-feira e que não notou que Portugal estivesse maior. Não admira que estes americanos hollywoodianos e que vivem num planeta diferente tenham chegado a esta conclusão (Dah!!). É claro que depois das eleições de Domingo Portugal está metaforicamente maior. Surpresas só a baixa votação do candidato anti-tudo-e-todos, Louçã, de resto…

segunda-feira, janeiro 16, 2006

Frase da Semana - 3

"Jamais repita as mesmas tácticas que lhe deram uma vitória. Procure variá-las segundo as circunstâncias."
Sun Tzu


(Também se aplica à política?)

Ultra-choque-ultra-tecnológico


Ontem ao almoço, vi num noticiário qualquer, de uma qualquer estação de televisão, uma reportagem sobre tendeiros que se queixavam por não ter direito ao incentivo para a modernização dos estabelecimentos comerciais, no caso, das tendas. Houve até quem sugerisse carrinhas ambulantes equipadas com PCs portáteis, multibancos etc.

Creio que evolução e tecnologia não pegam muito bem com o conceito tenda ou barraca, nem mesmo com o de mercado ou feira, mas todos têm os mesmos direitos, mesmo os que não pagam impostos e têm benefícios sociais, como tal, venham lá então as super-carrinhas de venda-ambulante!
Nós viajámos no tempo e estamos em condições de mostrar aos nossos visitantes como serão as feiras e mercados do futuro, assim:

quinta-feira, janeiro 12, 2006

Alentejo Terra Mãe





É este o nome da Associação que se propõe a “investigar, divulgar e preservar a história, as tradições, os costumes e os falares do Alentejo e bem assim os valores culturais artísticos, arqueológicos, paisagísticos e ambientais da região”. Pretende ainda “promover as artes ou ofícios tradicionais alentejanos, apoiar a criação de empregos e a fixação de residência no Alentejo e, em termos de solidariedade social, apoiar as crianças, os jovens desfavorecidos e a terceira idade.”

Dos meios de funcionamento desta instituição surge uma revista trimestral, cujo número um saiu no último trimestre de 2005. Neste número, que conta com vários textos de gente alentejana (António Borges, Murteira Nabo, Henrique Granadeiro e Rui Nabeiro, podemos ainda ler um artigo sobre Vasco da Gama, Almirante da Índia e Conde da Vidigueira, sobre a ascenção da flor e esteva a símbolo do Alentejo e outros artigos de interesse e de relevo sobre a nossa planície.
A associação dispõe ainda de uma página web (
clique aqui) e pretende promover muitas outras iniciativas.

Deste canto faço votos para que não seja só mais uma instituição e que, na realidade, desenvolva um trabalho de qualidade em torno e para o povo alentejano. Bem merece.


Mas o Aljubarrota lança novo desafio: está a perder-se no Alentejo o velho hábito de usar o bem-dito capote no Inverno.

Anteriormente era usado pelos trabalhadores do campo, agora, e desde que se tornou símbolo e não utensílio, pouco se usa. Ora como os símbolos só representam algo quando de facto têm significado para o povo e se mantêm assim “vivos”, vimos propor e promover o uso do capote pelos Alentejanos e mais, sugerimos um desconto para todos os que comprovem através do BI ser Alentejanos ou viver no Alentejo!

Como foi dito à dias pelo LNT, no Geraldo Sem Pavor, que alentejano que se preze tem barriguinha e mesmo até este requisito eu cumpro!

É caso para dizer: “Orgulho de ser Alentejano, porra!”

Educação, escola e o Prof – 2


Ensinar deve ser um prazer - Platão

Desde cedo, a nossa educação é caracterizada pela imagem do professor, de uma disciplina ou outra e, independentemente das suas características, o essencial aqui é referir os valores, as influências, as opiniões e os conhecimentos que eles nos transmitiram.
Ao longo dos anos, dezenas de professores contribuíram para a nossa formação e educação e é indiscutível que a nossa personalidade e os caminhos que seguimos e escolhemos, tiveram de certo a influência (nem sempre consciente) de algumas dessas pessoas. Mas o que é, de facto, ser professor?
Utilizando os conceitos de Edgar Morin, podemos classificar a profissão de professor como uma profissão complexa, onde a incerteza e a ambiguidade das funções são o seu melhor traço definidor, e cada vez mais a instabilidade é a única certeza desta profissão.
Diz-se que ser professor é a profissão mais bonita do mundo embora difícil e carregada de responsabilidades, é simultaneamente apaixonante e por vezes deprimente, mas deprimente porquê?
Por incapacidade? Má vontade? Alguns professores, sem dúvida alguma, estariam dispostos a declinar a responsabilidade sobre os demais agentes educativos: sobre os pais, os directores das escolas, os políticos, a sociedade, e, claro, o aluno; mas, provavelmente, este mal-estar é sobretudo causado porque alguns docentes estão mal preparados e dispõem de poucos meios para assumir as distintas funções que deles se esperam e que, cada vez menos, não se limita só a ensinar.

A profissão docente é, de acordo com o sociólogo Émile Durkheim, o resultado da institucionalização da educação e da instrução numa sociedade complexa.
Já para Musgrave, ser professor é uma actividade social que satisfaz determinadas necessidades sociais e que é ordenada pela própria sociedade; ainda segundo o mesmo autor, a profissão docente está regulada ao nível comportamental e que para ser correctamente exercida a nível profissional é necessária uma formação contínua.

De facto, o professor tem sido, ao longo de anos, moldado de acordo com as exigências da sociedade e o papel do professor muda em consequência de isso mesmo. Mudanças sociais, ideológicas, políticas das sociedades modernas exigiram do professor uma adaptação constante, nem sempre tendo tido a devida compreensão, apoio e reconhecimento por parte das entidades governativas e, de alguma forma, em consequência, da sociedade.
Esta mesma sociedade tem expectativas (muitas vezes baseadas no desconhecimento e desfasadas do que é e seria compreensível e desejável) em relação ao grupo docente e este tenta corresponder correctamente ao seu papel de professor, embora ninguém arrisque apontar em concreto as funções, obrigações e direitos deste papel.

"Bota abaixo” é baixo

“Ele disse que ia andar por aí quando saiu à pressa do Palácio de S. Bento, por iniciativa inédita do Presidente da República, Jorge Sampaio, após dissolução do Parlamento.

Eu via nele o homem capaz de liderar o país e de o motivar (muitas discussões mantive com o Francisco Figueira, (do Geraldo Sem Pavor), acérrimo defensor de Durão, sobre este tema). No entanto, Santana, após a chave do poder do PSD e da governação do país lhe cair nas mãos, por culpa e incapacidade pessoal ou por más companhias e erros na escolha da sua equipa, mostrou-se incapaz de manter a estabilidade. É óbvio que a “conspiração” dos media em torno da sua governação foi determinante para empurrar para baixo a opinião pública, relativamente ao seu governo, mas a queda do governo santanista não se deve exclusivamente a isto.
Com a dissolução do parlamento, fomos para eleições e foi aí que surgiu a polémica dos outdoors com a foto de Cavaco e Sá Carneiro.

Santana nunca digeriu a recusa de Cavaco em fazer parte da “foto de família” e vem agora a público assumir, ao não apoiar Cavaco, que está contra ele.
Esta pequena vingança do “enfant terrible” mostra alguma falta de carácter e discernimento e, como o tempo e os próximos resultados eleitorais o demonstrarão, poderá significar o adeus definitivo de Santana aos grandes palcos da política portuguesa.

Contudo, e embora seja compreensível do ponto de vista pessoal, esta atitude demonstra que no PSD, como no país, ainda há alguns cantos por varrer e que há sempre alguém, sedento de protagonismo e poder, à espreita para puxar o tapete ou para espetar uma faquita nas costas.

Para quem esteve calado tanto tempo podia ter continuado mais uns meses, mas perdeu mais que o que possa vir a ganhar com estas declarações.
Portugal perde assim um bom presidente de câmara e eu fico ainda mais desiludido com as atitudes de pessoas que eu julgava capazes de dar rumo a Portugal.

Esta atitude de Santana, com este timming que não é inocente, equipara-se aos vergonhosos tempos de antena de Francisco Louça, que servem única e exclusivamente para denegrir a candidatura de Cavaco.

É tempo de acabar com esta escória que descredibiliza a classe política e que semeia a cultura do “tá-se bem” e “do deixa andar”; a mesma que se aproveita, em benefício próprio, do populismo de ideias e invenções em que nem eles acreditam; isso sim é demagogia!
É necessário respeito e dignidade, e é por Cavaco não basear a sua candidatura em denegrir a imagem dos outros candidatos, que sobe a cada sondagem.

terça-feira, janeiro 10, 2006

Frase da semana 2

Nunca é tarde demais para ser aquilo que sempre se desejou ser.

George Eliot

Frase da semana 1

(e já vamos atrasados....)
Em início de ano nada melhor que uma mensagem de encorajamento.

A esperança, enganadora como é, serve contudo para nos levar ao fim da vida pelos caminhos mais agradáveis.

.François La Rochefoucauld

segunda-feira, janeiro 09, 2006

Choque Tecnológico para quê?

Caros amigos,

prometi que voltava e cá estou eu pronto para entrar em praça. Vou deixar o cavalo a descansar e vou tourear a pé. Ora o tema que hoje vos trago é, nem mais nem menos, o famoso e muito falado "choque tecnológico".
Como todos vós deveis saber, o país (e em especial o "meu" Alentejo) está a milhas de distância de toda a Europa dos 15 (e brevemente também o estará em relação à Europa dos 25) em quase todos os aspectos económico-sociais (temos dos salários mais baixos, trabalhamos mais horas e produzimos menos, enfim ... não vale a pena enumerar, pois não?).
O que se torna caricato é que as "almas iluminadas" deste país apresentem como grande novidade, como grande objectivo a alcançar o tal "choque tecnológico". E caricato, porquê? Porque, caso não saibam, é precisamente a Área das Novas Tecnologias, um dos poucos factores em que Portugal tem indíces de país do 1º mundo (em número de telemóveis nem vale a pena falar e mesmo no uso e na distribuição de computadores e de internet estamos entre os 20 primeiros do Mundo (repito, do mundo, não da Europa).
Provavelmente, dentro em breve, aparecerá uma pseudo-intelectual a dizer que Portugal está, actualmente em 15º lugar a nível mundial no uso das novas tecnologias devido ao choque tecnológico (quando antes desse tremendo choque que já toda a gente deve ter sentido estávamos em 17º).
Esclarecedor, não acham?Assim se vê a incompetência e a má gestão dos nossos dinheiros.
Até à próxima,
Olé

quinta-feira, janeiro 05, 2006

10000 visitantes

foto de al-farrob

Além das palavras da praxe aos amigos e dos agradecimentos a todos os fazem caso do que dizemos e acreditam que nos nossos discursos de ex-teenagers inconscientes ainda há um fundo de saudável razão e de sonho há mistura, queria agradecer ainda aos colaboradores que aceitaram o desafio de participar comigo num blog pro-alentejano pró-português e nacionalista quanto baste apesar das divergências que podemos ter em vários aspectos como por exemplo no plano político.

Obrigado pela consideração – prometemos continuar a disparar ideias e a desfazer sonhos com o objectivo que sejam reais! Todos juntos somos capazes.

Gostamos das nossas terras, amamos o Alentejo e lutaremos por Portugal!

Retribuo ainda os votos de boas festas que fomos recebendo.

Grande abraço